Usuário: Visitante | Identifique-se | Cadastre-se
Transcrição

#125: Walter McAlister e a falência da Igreja

00:00:00

Podcast Sepal: O podcast dedicado à liderança evangélica de Língua Portuguesa

Paulinho- Muito bem vindos ao podcast Sepal, nós estamos aqui no encontro Sepal, uma semana de muito trabalho né Dri?

Dri- Trabalhando demais, já faz duas noites que eu não durmo direito, mas é porque só têm dois dias de evento.

Paulinho- Estamos aqui, essa semana tentando aproveitar o máximo que podemos dela, com tantos preletores, com tantas pessoas importantes aqui, a gente vai tentar gravar alguns programas pra vocês aqui, que ouvem o nosso podcast, e nós estamos aqui hoje com Walter McAlister, desculpa, bispo primas Walter McAlister.

Dri- É isso mesmo? É Walter McAlister?

Walter- Sim, é McAlister.

Dri- Ah, que legal.

Paulinho- Com esse sobrenome todo gringo, nascido nos EUA, mas foi criado aqui, né?

Walter- É, fui criado aqui, cresci aqui, e lá na Escócia é zé da Silva, mas aqui McAlister é difícil, então...

Paulinho- O sobrenome é escocês, mas o senhor é americano?

Walter- não, eu sou brasileiro.

Dri- Ah, o senhor nasceu aqui no Brasil?

Walter- Não, eu renunciei a cidadania americana, sou brasileiro, e me naturalizei brasileiro.

Dri- ó que bonito. Então dá pra ele ser presidente da República, não dá?

Paulinho- Não sei, dá?

Walter- Não, porque eu não me envolvo com a política.

Paulinho- O Walter tem o livro, é recém lançado? Como é que é?

Walter- Ano passado.

Paulinho- Ah eu lembro da divulgação aqui, “o fim de uma era, um diálogo critíco, franco e aberto sobre a igreja e mundo nos dias de hoje”. A gente vai discutir sobre esse tema, um pouquinho hoje, os rumos da igreja.

Dri- É, é uma coisa que a gente vem batendo bastante nessa tecla, a gente falou muito ano passado, estamos falando esse ano, o que que está acontecendo com a igreja? Como ela era? Pra que rumo ela está seguindo?

Paulinho- Eu sei que sei livro, você deve gastar muitas páginas nisso, né.

Walter- Eu gasto muitas páginas, algumas coisas são importantes pontuar aqui; certamente a igreja está passando por uma coisa muito drástica e muito radical, embora talvez não seja de um dia para o outro, de uma geração para outra já é quase na velocidade da luz, quando se fala de história da igreja, que antigamente levava séculos pra mudar e eu creio que nós estamos vendo a falência de um paradigma, de igreja, onde nós nos tornamos exímios apresentadores da fé, onde todas as inovações são apontadas para o palco, aonde a igreja virou um modelo show, um salão de apresentação e espetáculo e paralelamente nós achatamos o que nós definimos como cristão, por apenas uma profissão de fé, invés de trata-lo como uma peregrinação de fé, que mudaria completamente o modo operante de igreja, sua maneira de discipular, de ensinar, nós nos limitamos apenas a proclamar e depois deixamos todo mundo por conta, então a maioria das igrejas são lugares onde as pessoas vão, assistem e vão embora, e tentam se virar; e o que nós estamos vendo, hoje, é o resultado de gereções, desteparadigma, aonde pessoas não discipuladas passaram a ser líderes, e há poucos cristãos na sua maneira de viver, e portanto na sua liderança, embora sejam muito carismáticos e comunicativos, nós estamos vendo líderes que não são discípulos de Cristo, eles são discípulos de cristianismo.

Dri- Sou discípulo de seu João da Silva

Walter- Mas como diz Jacques Saleu, qualquer ismo é uma traição do seu fundador, então cristianismo, assim como marxismo, ou qualquer outro ismo, basicamente trai os ideais do seu fundador, então nós vemos hoje a igreja ainda vivendo um resquício do efeito de Constantino, tentando se afirmar dentro de um papel cívico que não é o seu papel, ao meu ver, e ao mesmo tempo nós estamos sofrendo uma série de ondas, não só heréticas, como, principalmente, uma dificuldade filosófica com a fé, depois de sermos muito influênciados pelo darwinianismo, pelo marxismo hoje nós estamos sendo muito influênciados pelo Frederico Nietzsche, cuja filosofia se traduziu na hermenêutica da desconfiança, da suspeita, então hoje em dia há líderes que se limitam em dizer “será?”, “eu não sei”,”ah, mas há grandes perguntas”, e isso também é um modo de manipular e trazer influência para si.

Paulinho- Olha, isso é uma coisa que a gente tem discutido há algum tempo, já.

Dri- Eu ia até comentar isso.

Paulinho- A falta de respostas, o exagero do número de perguntas e a falta de respostas.

Walter- Exatamente.

Dri- E assim, a forma como antigamente, como a pessoa se relacionava com a igreja era basicamente assim, o líder, o pastor, ele falava e a ovelha escutava, ouvia; hoje, eu não sei até que ponto isso é bom ou ruim, pelo que a gente tá conversando aqui é ruim, o pastor ele se iguala na questão de dúvidas e perguntas, é mais ou menos assim, “ vamos se reunir pra gente tentar entender”, e ae lança um monte de pergunta, um monte de dúvida e as vezes tudo isso fica no ar, e acaba a reunião, acaba tudo.

Walter- É, há um ditado alemão, que diz que uma sombra não cria outra sombra, então o não discípulo não pode discipular, ele primeiro tem que ser um discipulo, nós agora vivemos o resultado de geração após geração de espectadores, e de pessoas que aprendem o ramo ministerial, mas ainda não sabe viver como Cristo pessoalmente, então você têm exemplos terríveis, escandalosos e muito conhecidos, mas você também tem uma certa desorientação, João Paulo II, quando caiu o muro de Berlin, ele falou para os orientais “não olhem para o Ocidente como um exemplo de vida, eles são excelentes em fabricar coisas, mas eles não sabem criar seus filhos”.

Dri- Nossa

Walter- Nós somos um civilização que estamos morrendo, nós não temos valores, nós não temos rumo...

Dri- A gente não tem, mal e mal tem cultura, né?!? É engraçado isso...

Walter- A nossa cultura é a anticultura, nós somos literalmente uma civilização que está se esfacelando, não tem sustentabilidade, nem as instituições que antigamente eram sustentadas por ideais, tudo acaba em pizza, e eu não estou falando só de política, eu estou falando de tudo, nossas instituições da igreja, a família, a política, seja o que for, educação, o que vale é a força, o que vale é quem tem o controle do talão de cheques, e acabou, então nós vemos isto, nós estamos sendo brutalizados tremendamente pela televisão que é uma imbecilidade, eu inclusive vou falar daqui uns dias sobre a imperiosa necessidade de desligarmos a televisão de vez, uma coisa que eu fiz há 4 anos, eu não assisto televisão, nem eu nem...

Dri- Nem jornal, nem nada...

Paulinho- Jornal principalmente.

Walter- Não, jornal precisa pra limpar janela, e quem tiver periquito em casa precisa, mas...

Dri- E limpar janela com jornal é uma maravilha.

Walter- É uma maravilha, mas eu leio, basicamente, os assuntos principais, mas pelo Twitter, você acaba sabendo tudo mesmo, e eu sou twitteiro, então...

Dri- qual é o seu Twitter?

Walter- bp_walter, com W, então pra quem quiser ler pérolas, provérbios do bispo.

Paulinho- Mas isso que o senhor esta falando, vai contra o que a gente tem ouvido de informação, de que o Brasil está em destaque, em destaque internacional por muitas coisas interessantes, e tal, mas uma coisa você disse no seu livro que não adianta estar na crista da onda se a onda vai pro lugar errado, né?!?

Walter- Exatamente, nós estamos indo na direção errada, agora o Brasil obviamente é interessante para o resto do mundo, nós somos um mercado em crescimento, nós temos coisas pra vender e comprar, então o Brasil interessa a sociedade de consumo, mas ideologicamente não temos nada para oferecer, boa música, boa música.

Paulinho- Mas tem uma coisa, da igreja tá voltada para o palco, para o show, isso é um desafio nosso, porque nós fazemos parte de um ministério de comunicação, então a gente que melhorar a comunicação da igreja, e uma das coisas que a gente tenta investir é no palco mesmo, então esse é um desafio nosso de cada dia, qual é o limear entre...

Dri- Entre fazer o show...

Paulinho- Mais do que isso, entre melhorar a forma sem corromper o conteúdo, e continuar sendo relevante na vida das pessoas.

Walter- É, bom, muitas vezes para achar uma solução, as vezes você tem que criar um problema, eu acho que tem que apagar as luzes, eu fiz isso na minha igreja alguns anos atrás, eu botei todos os músicos pra sentar, eu comecei a mergulhar na história, nossa igreja é de origem pentencostal, e começamos a explorar o uso do Pai Nosso, do credo apostólico, e um músico virou pra mim, o guitarrista, virou e disse “ olha a gente veio aqui pra ler isso ou pra tocar?” ae eu botei todo mundo sentado.

Dri- Ai que horror, ah fez certinho então...

Walter- Ae eu botei todo mundo sentado e começamos a cantar hinos antigos, só hinos antigos com o piano, cantamos hinos antigos durante um ano, muita gente foi embora achando que a gente não tinha mais poder, mas foi bom, porque a igreja, assim, se realinhou com velhos valores, pessoas que queriam, eu acho que no fundo, no fundo a nossa alma anseia por um silêncio, um lugar de segurança, um lugar de repouso e reflexão, mas nós estamos tão viciados no evento igreja, eventos não mudam a vida de ninguém, então nós precisamos parar e pensar bem sobre este processo e o livro faz algumas ponderações sobre isso, mas eu estou preparando outro que irá mais fundo nessa questão de como resgatar a mente cristã, porque hoje basicamente nós somos cristãos em nomes apenas, mas de fato nós somos pagãos no sentido da nossa cultura, da nossa maneira de agir, nós trivializamos a fé, transformamos tudo num adesivo ou numa camiseta, ou numa frase feita, nós temos que ____ a cabeça, e achamos que esse é o resumo da ópera, e não é, não é. Eu estava tentando alugar um apartamento, faz uns anos atrás, e a corretora, não sei como descobriu que eu era bispo, e falou “ah eu também sou evangélica”, ae eu já me preparei né, hoje em dia da medo, ae ela chegou no apartamento e disse “ ih o dono esqueceu de deixar a chave”, foi e tirou um monte de chave do bolso, pegou uma chave do bolso e disse “ vamos ver agora se o sangue de Jesus tem poder” e de fato naquele dia o sangue de Jesus não teve poder, mas o que acontece, nós estamos empobrecendo, é como pegar o alicate e tentar usa-lo como martelo, daqui a pouco nem martelo é, e nem vai servir como alicate, então nós pegamos frases preciosas, palavras preciosas, que exprimem valores preciosos, e trivializamos, irmão, bênção a unção e tal, e o que que acontece, não temos mais, é como Artibald Wietch disse “uma civilização morre quando os símbolos embora vistos, não significam mais”.

Dri- Nossa mas é verdade mesmo, acaba tudo.

Walter- Nós somos serem emblemáticos.

Dri- E o duro, é que isso vai de geração em geração, né. Eu lembro quando era pequena qualquer coisa que acontecia eu dizia “ai meu Deus”, e minha mãe na hora brigava comigo falando “filha, não toma o nome de Deus em vão”, e hoje em dia eu não vejo ninguém fazendo isso, sabe, parece que foi se perdendo então ae a geração da frente, a próxima geração, vai banalizar mais ainda.

Walter- Mas é claro, porque o que não é permitido hoje, amanhã é normal, eu estou vendo líderes cristãos usarem palavrões na internet, na internet e no pulpito, e no pulpito também, e eu não recebi nem um memorando dizendo que isso era válido, que isso era permitido, mas isso em nome de que? Em nome de charme, de se aproximar de uma geração, eu acho que a tirania do charme, eu acho que tem que acabar, voltar a seriedade, botar o pé no chão, o joelho no chão, e dizer peraí nosso futuro tá em jogo, as gerações futuras estão em jogo, nós temos que voltar, porque eu creio que a igreja está caminhando rapidamente para uma calamidade mesmo, para uma falência geral.

Paulinho- Walter, e sobre essa falência? Que o senhor tem falado isso no livro e tem repetido aqui agora, a igreja tá num caminho indo pra falência, você acha que é um caminho sem volta, ou tem alguma esperança?

Walter- A curto prazo eu acho que não, porque o paradigma em si é equivocado, o paradigma em si da igreja show tem que falir, agora tem uns que dizem “ meu Deus, agora a igreja acaba”, agora se nós olharmos a história da igreja, nós vamos ver que a igreja passa por muitas fases, muitas manifestações, muitas maneiras de agir diferentes, haverá uma nova maneira, essa igreja show não tem sustentabilidade, esses últimos 200 anos, por que isso começou mais ou menos na época dos avivaventistas firmes, com suas formas de avivamento e tal, e isso acabou fazendo com que uma decisão para Cristo já constituia, digamos, uma carreira cristã. Então muita gente chegava pro seu pastor e dizia “ pastor eu sou salvo” e ele dizia “bom, você já fez a profissão de fé?”, “ah, já”, “então você é salvo, não esquenta, não”, mas não é isso que a Biblía diz, “Senhor, Senhor, as pessoas que vão chegar diante de Cristo no último dia, vão fazer uma profissão de fé” mas ele vai dizer “eu não conheço vocês”, porquê? Porque vocês não praticam o bem, vocês praticam o mal; então nós vemos Pedro, na segunda carta, ele diz assim “já recebemos tudo que é necessário pra vida e piedade, mas agora com esmero, vamos acrescentar a fé”, e você vê uma série de coisas, começando pelo conhecimento e virtude, ou seja, essas coisa fazem falta de discurso, e todo mundo está querendo agora, ser mais bacana, mais charmoso.

Dri- E a gente costuma dizer que as pessoas estão querendo só serem servidas, por isso a ideia de que “ah e já me converti, eu já sou salvo e tal, e agora eu vou procurar qual é a igreja que mais me agrada” e ae a pessoa só quer se servir, ela não quer melhorar, não quer buscar santificação.

Walter- Mas veja só, qual é o fundamento do nosso problema ai? Nosso problema, é que o grande inimigo da igreja hoje, é a sociedade de consumo, o consumista não é materialista, o materialista é assim de 50 a 100 anos atrás, é aquele que valorizava o que tinha, o consumidor não valoriza o que tem, ele compra um sapato, e antes de sair do shopping, já está comparando o seu sapato com mais dez sapatos até chegar na porta; a pessoa acha uma boa igreja, e daqui a pouco está procurando com mais meia dúzia, porquê? Porque a sociedade de consumo é fundamentada basicamente na insatisfação, e no tédio, então não consegue; olhe, contentamento com piedade é grande lucro, é uma mensagem perdida, a igreja não fala nem de contentamento e tão pouco de piedade e nós temos que redescobrir isso, e começar a viver radicalmente redefinidos pela Palavra de Deus, obviamente os líderes precisam acordar, nós temos que acordar, o que eu falo no livro é que -se tão somente começarmos a concordar que uma coisa não anda bem, né- a sua geração está dizendo, as coisa não andam bem, minha geração tem que acordar também, e dizer peraí, as coisas não andam bem, porque até começarmos a botar o joelho no pó e dizer “nós não estamos bem, vamos redescobrir as bases, vamos relançar alicerces não há futuro, então nós temos que investir com coragem de dizer “meu filho não vou te dar um cursinho de três semana, não, esse curso vai ser de 2 anos, de 4 anos”, começar a relatar isso, e dizer “você quer realmente andar com Cristo? Então desligue a televisão, porque a televisão é pra imbecis”, porque quem assinte televisão, está sendo brutalizado, está tendo a sua cabeça cheia de informação demais, nós não temos distância critica de nada neste mundo, hoje em dia, meros mortais precisam ter uma teoria sobre tsunâmis no Japão, sobre chacinas no Rio, sobre tudo e sem o distanciamento e a disciplina de leitura para poder pensar criticamente, pessoas não leem, e portanto não tem a menor capacidade de pensar, você não adquire a capacidade de pensamento critico sem a disciplina de leitura, então assistindo televisão, você sabe o quê? Nada! Você vê, você ouve, você é bombardeado, e depois vêm esses que se propõe a explicar tudo, e ganham um território, mas não estão dizendo também nada de importante.

Dri- Nossa é perigoso demais isso, então, nós estamos aqui pra tentar convencer você, que está ouvindo a gente, desliga a televisão, e vai ler um livro, vai procurar alguma coisa, mas também procure algo de bom.

Paulinho- É no Twitter tinha, na época do Big Brother, aquela brincadeira...federal campanha, troque o Big Brother por um livro, agora troque a TV por um livro, pela Biblía.

Walter- Olha TV é um dos maiores agentes de desagregação, da própria família do século XX, a própria revista TIME falou isso.

Dri- A família que janta, que almoça na frente da televisão não tem diálogo, não tem conversa. Um dos valores que eu e meu marido gosta, de almoçar e jantar juntos.

Walter- Mas se você olha, o pessoal no Twitter e no Facebook também, como é que o pessoal fala, ele colocam palavras com 20 vogais, não sabemos escrever, não sabemos falar, um monte de símbolos, assim Oieee, Ainnn, todoooo, liiiiiii, adoroooo, tall, hihi, hoho. E eu falo gente, vamos pelo menos resgatar o português, no mínino resgatar um pouquinho da linguagem.

Paulinho- Isso incomoda muito.

Dri- É verdade, então é isso.

Paulinho- Muito bem, muito obrigado Walter, que seja essa a nossa oração, né, o nosso desejo de buscar cada vez mais a vontade de Deus, buscar o conhecimento que vem dEle, né. O discipulado que é uma arte já esquecida por muitas igrejas, que acham que não faz muita diferença, e a gente entra nessa campanha também, vamos trocar a televisão por algo mais legal pra fazer, algo mais importante e interessante pra vida.

Dri- É a única coisa que ele não deixa é de assistir o futebol, mas o resto.

Walter- Mas você não assiste futebol, você assiste o show de futebol.

Dri- Ah, o Santos nem dá tanto show assim!

Paulinho- Bem, muito obrigado Walter.

Walter- Muito obrigado vocês.

Paulinho- O livro tá à venda no site da editora?

Walter- Sim.

Paulinho- Sim, sim, o livro (O fim de uma era - Walter McAlister) está à venda no site da editora www.annod.com.br, ou pelo 0800 701 3490.

00:27:04

Transcrito até o fim por Nayara Beatriz

Você precisa estar logado em irmaos.com para transcrever este programa.

» Identifique-se
» Cadastre-se




Creative Commons License
Podcast irmaos.com é licenciado pela
Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.


Conte-nos como conheceu o
Podcast irmaos.com

Assine nosso feed

Assine pelo iTunes


Veja a lista por podcaster:

Veja a lista completa dos títulos dos programas

Programas mais comentados
#148: Músicas seculares que edificam
#126: Dízimos o Ofertas
#135: Teísmo Aberto
#141: Márcio Valadão e as Mega-Igrejas
#200: #pod200

Programas mais ouvidos
#222: Vaidade Masculina
#224: Filmes cristãos que marcaram nossa vida
#232: Os Desigrejados
#230: A Geração EU ME ACHO
#223: Salvação, Amor e Libertação

Programas favoritos da galera
#85: Vida Cristã Relevante
#206: Santidade
#180: Amor X Paixão
#192: Despedida de Solteiro
#174: Jó

Notícias relacionadas
Entenda a periodicidade dos podcasts publicados em irmaos.com
Confira a programação do Lutando Pela Igreja e acompanhe tudo ao vivo por irmaos.com
Oro para conhecer a vontade de Deus, diz Bono
Os 20 cristãos mais influentes da internet brasileira em 2013
Kaká se torna embaixador da Visão Mundial
«Mais»

"Aquele que começou a boa obra a aperfeiçoará até o dia de Cristo Jesus." Filipenses 1:6


 
Cheap Moncler Jackets Cheap Moncler Jakker Cheap Moncler Coats Cheap Moncler Down Jacket Cheap Moncler Down Coats Cheap Moncler Doudoune Cheap Moncler Jackets On Sale Cheap Canada Goose Parka Cheap Canada Goose Montebello Parka Cheap Canada Goose Jackets On Sale Cheap Canada Goose Chilliwack Bomber Cheap Canada Goose Montreal Cheap Canada Goose Jacket Sale Cheap Canada Goose Women Emilio Pucci Dress Emilio Pucci Dresses Emilio Pucci Sale Cheap Emilio Pucci Emilio Pucci Outlet Emilio Pucci Online Emilio Pucci Gown Cheap Parajumpers Online Shop Cheap Parajumpers Sale Cheap Parajumpers Damen Cheap Parajumpers Jakke Cheap Parajumpers Jacka Cheap Parajumpers Gobi Cheap Parajumpers Norge Cheap winter Coats Cheap Winter Coat Sale Cheap Winter Jackets Cheap Winter Down Jacket Cheap Winter Down Coat Cheap Winter Jackets Cheap Winter Jackets Outlet Cheap Woolrich Coats Cheap Woolrich Parka Cheap Woolrich Arctic Parka Cheap Woolrich Arctic Parka Cheap Woolrich Outlet Online Cheap Woolrich Parka Sale Cheap Woolrich Parka